ludijogos

SEÇÕES

Daniel sobre novo pedido da defesa de Lula: “Copiaram e colaram”

Daniel sobre novo pedido da defesa de Lula: “Copiaram e colaram”

FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Por Sávia Barreto

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste sábado (10) que pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que o ex-presidente cumpra o que resta da pena imposta no caso do triplex em regime aberto. Segundo os advogados, o pedido foi protocolado na noite desta sexta-feira (9). A tese usada na defesa de Lula é a mesma do ex-secretrário estadual de Justiça do Piauí e advogado, Daniel Oliveira, que teve negado seu pedido de habeas corpus protocolado no Supremo Tribunal Federal para a soltura do ex-presidente.

Após o pedido da defesa de Lula, Daniel Oliveira se pronunciou em seu perfil no Instagram: “Eita jogo duro. Primeiro os caras negam a tese em que pioneiramente apresentei no STF nos autos do HC 170717. Depois copiam e colam e nem citam a referência a peça que fizemos no escritório. E vão dizer que foram eles que soltaram o Lula por uma tese deles ditos medalhões...quero ver se eu fosse do eixo Rio São Paulo teria o mesmo tratamento. Sabe qual nome disso?! Preconceito! Só isso! Precisa desenhar?”, questionou.

“Mas a vida é assim: dura e cheia de desafios. Seguirei firme na defesa da liberdade total ou através do semiaberto para o maior presidente que o Brasil já teve: Luiz Inácio Lula da Silva”, completou Oliveira.

PEDIDOS DE HABEAS CORPUS ANTERIOR FOI NEGADO

O ministro Edson Fachin negou o pedido protocolado no 29 de abril pelo piauiense. Após as apresentações do pedido inicial e de duas manifestações, a negativa para o andamento do caso foi definida pelo ministro. A ação de Habeas Corpus foi feita por Daniel, que não integra a defesa constituída pelo ex-presidente. Ele alegou que a redução da pena de Lula, após decisão do STJ, alterou a contagem para prisão em regime fechado, possibilitando a transferência ao semiaberto.

Daniel Oliveira também protocolou nova solicitação para a soltura de Lula e o caso está com o presidente do tribunal, Dias Tóffoli.

ENTENDA AÇÃO

De acordo com o Código Penal, o condenado em regime aberto deve trabalhar, frequentar ou exercer outra atividade autorizada fora do estabelecimento prisional e sem vigilância, permanecendo recolhido durante o período noturno e nos dias de folga.

Em abril deste ano, a Quinta Turma do STJ manteve a condenação de Lula, mas reduziu a pena para 8 anos e 10 meses. A defesa pedia que o ex-presidente fosse absolvido. Foi com base nessa decisão que a defesa agora diz ter apresentado ao STJ os chamados embargos de declaração, um tipo de recurso que busca esclarecer contradições, omissões e obscuridades do julgamento, mas não pode mudar a decisão tomada pela Turma.

Lula foi condenado em 2017 a 9 anos e 6 meses de prisão, por corrupção passiva e de lavagem de dinheiro, no caso do triplex. A decisão foi do então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e Segurança Pública. Em janeiro do ano passado, a condenação foi confirmada pela Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), tribunal de segunda instância, que aumentou a pena para 12 anos e um mês de prisão.

O ex-presidente foi preso em São Paulo, em abril do ano passado, e levado a Curitiba, onde cumpre pena desde então. Lula ainda responde a outros seis processos em tramitação em diferentes instâncias da Justiça.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
ludijogos Mapa do site

1234