666maxbet

SEÇÕES

Educação sexual deve ser questão curricular, diz ministra Nísia Trindade

Uma das linhas centrais do programa Saúde na Escola será a prevenção da violência, tema prioritário também para a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Educação sexual deve ser questão curricular, diz ministra Nísia Trindade | Ravena Lages
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Nesta sexta-feira (28), durante coletiva de imprensa na inauguração da nova Maternidade Evangelina Rosa, em Teresina, a ministra da Saúde, Nísia Trindade, falou sobre a volta da educação sexual e a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como parte do programa Saúde na Escola, criado em 2007. Os temas sobre educação sexual, segundo o governo, tinham sido suspensos do programa pela gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro.

O ministério informou que o Saúde na Escola, nos últimos anos, se concentrou em alimentação saudável, prevenção de obesidade e promoção da atividade física. Para a ministra, educação sexual deve ser enquadrada no currículo das instituições de ensino.

"É importante ter uma visão abrangente e não apenas de como se faz exatamente para gerar polêmica e controvérsia com o programa Saúde na Escola. A nossa orientação é clara, é o direito à informação, ao cuidado e uma visão integral, uma cultura de paz, uma cultura de integração do indivíduo e a questão dos direitos sexuais e reprodutivos. Os conhecimentos sobre o seu corpo e o seu estar no mundo fazem parte dessa formação e devem ser uma questão curricular não isolada de um programa do Ministério da Saúde", disse a ministra.

Nísia Trindade ressaltou que, embora a saúde reprodutiva e sexual já façam parte dos programas, como nas aulas de biologia, esta retomada traz um novo impulso para questões relacionadas à saúde pública e amplia o escopo de atuação do programa. 

"Uma das linhas centrais do programa Saúde na Escola será a prevenção da violência, tema prioritário também para a Organização Mundial da Saúde (OMS). A abordagem será pautada em uma visão ampla para fornecer informações claras sobre cuidados e saúde integral", disse a ministra.

A ministra reforçou que o direito à informação e à formação integral são fundamentais para o desenvolvimento dos estudantes e que inclui o entendimento dos direitos sexuais e reprodutivos e do próprio corpo.

Volta da educação sexual no programa saúde na escola

Na última terça-feira (25), o Ministério da Saúde anunciou a retomada da educação sexual e da prevenção de doenças sexualmente transmissíveis como parte do programa Saúde na Escola, que pretende atingir 25 milhões de estudantes.

Para essa ação, o governo liberou um investimento de R$ 90,3 milhões destinados aos municípios participantes. As prefeituras poderão receber um incentivo adicional de R$ 1 mil a cada grupo de até 800 estudantes de escolas e creches públicas, e em escolas que tenham ao menos 50% de seus alunos beneficiados pelo programa Bolsa Família.

Os profissionais do programa Saúde na Escola também serão capacitados para abordar saúde mental, prevenção de violência nas escolas, prevenção de acidentes e promoção da cultura de paz e direitos humanos.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
666maxbet Mapa do site